Um guia prático para conhecer Galápagos

  • 28 de junho de 2019


O arquipélago de Galápagos é formado por um conjunto de ilhas e centenas de ilhotes de origem vulcânica, que pertencem ao Equador e estão localizados a mil quilômetros da sua costa continental, no Oceano Pacífico. Foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade em 1978 pela UNESCO e hoje, além de ser um Parque Nacional, também é uma reserva marinha protegida.

 

 
Por isso, os animais estão por toda parte, e são também muito adaptados com a presença humana. Frequentemente, os visitantes precisam dividir a praia com lobos marinhos, iguanas, tartarugas, pelicanos, entre outros. Eles estão até mesmo nas ruas, estradas e praças. 
 

 

Uma das formas mais imersivas para conhecer Galápagos e estar em contato direto com a natureza é fazer um cruzeiro pelas ilhas. Existem diversas opções, geralmente com combinações de 2 ou mais ilhas e com duração variável de 4 a 15 dias. 

 

Tipicamente, o cruzeiro viaja durante a noite, o que permite aproveitar melhor o dia no destino, ao contrário dos toursdiários, em que praticamente metade do tempo é gasto emdeslocamentos. Nesse post não iremos entrar em maiores detalhes dos cruzeiros, mas apenas como referência, os preçoscostumam variar desde 300 até 1.500 USD por pessoa por dia.Justamente por causa dos custos, nós não escolhemos essa alternativa.

 

A fama de alto custo afasta muitos viajantes de Galápagos, especialmente mochileiros como nós, mas com uma boa pesquisa prévia você não será pego de surpresa na hora de pagar as contas. Ao planejarmos nosso roteiro, chegamos à conclusão de que seria melhor explorar as ilhas de maneira independente, misturando um pouco de atividades locais gratuitas e tours diários, pois foi o que nos pareceu ter o melhor custo-benefício.Galápagos de fato não é barato, mas também não é tão inacessível como muitos imaginam. O esforço financeiro adicional será altamente recompensado, pois trata-se de um lugar como nenhum outro.

 

Como chegar

 

 

São três as companhias aéreas que atendem Galápagos: AVIANCA, LATAM e TAME. Elas operam nos dois únicos aeroportos de voos comerciais do Arquipélago: um na ilha de Baltra, próximo à ilha Santa Cruz, e outro na Ilha de San Cristóbal. Ambos recebem voos tanto de Guayaquil, quanto de Quito, a capital do Equador. Voos de Guayaquil geralmente são um pouco mais baratos, pois a distância a ser coberta é menor.

 

Mapa do arquipélago. Fonte: Feel Ecuador

 

Se você pretende conhecer mais de uma ilha, recomendamos comprar a ida por Baltra e a volta por San Cristóbal, ou vice e versa. Assim você economiza uma viagem de barco entre as ilhas. 

 

 Vista do canal Itabaca, que separa a Ilha de Baltra da Ilha de Santa Cruz.

Esteja atento na hora de comprar as passagens, pois as empresas oferecem promoções (especialmente a TAME), mas os descontos costumam ser válidos apenas para equatorianos.

 

Como se locomover entre as ilhas

 

Para ir de uma ilha pra outra é preciso pegar uma lancha rápida, numa viagem que dura aproximadamente duas horas e quase sempre enfrenta um mar bastante agitado. Como a experiência pode ser bastante incômoda para algumas pessoas, recomendamos levar um medicamento preventivo para náuseas.

 

Cais de Puerto Villamil, na Ilha Isabela

Atencão! Não existe lancha rápida de São Cristóbal a Isabela, ou vice e versa. Esse trajeto sempre terá Santa Cruz como parada intermediária.

      

Onde ficar

 

Apenas 4 ilhas do arquipélago são habitadas: Santa Cruz, Isabela, San Cristóbal e Floreana. 

 

Nós estivemos apenas nas 3 primeiras e todas elas possuem boas e variadas opções de hospedagem.

 

Quando ir

 

Costuma-se dizer que não existe temporada baixa em Galápagos, porque cada período do ano tem um atrativo diferente. Ainda assim, setembro é o mês de maior probabilidade de frio e chuva.

 

Playa Tortuga Bay, em Ilha Santa Cruz.

 

O que fazer

 

Galápagos oferece uma ampla variedade de atividades, mas praticamente todas podem ser classificadas como de “ecoturismo dos sonhos”: vulcões, praias intocadas perfeitas para tomar sol ou praticar surf, mergulho e snorkeling de nível internacional, e acima de tudo a oportunidade de ver de perto animais que, em seu estado natural, só podem ser vistos ali.

 

Uma parte dessas experiências pode ser vivida com baixo ou nenhum custo. Por exemplo, a praia de Tortuga Bay, uma das mais belas do continente, é acessível a pé desde Puerto Ayora, a capital da ilha de Santa Cruz. O mesmo acontece com diversas praias em San Cristóbal e em Isabela. Em todas as ilhas há atrações que podem ser visitadas de bicicleta alugada ou de tomando um táxi.

 

Porém, uma visita a Galápagos não será completa sem os tours diários. Todos eles são feitos de barco e levam os visitantes a lugares inacessíveis por terra. O recomendável é escolher entre 2 e 5 tour diários, dependendo do orçamento e do tempo disponível. Nesses tours, você poderá ver algumas das paisagens mais belas da terra, poderá nadar com tubarões, golfinhos ou pinguins e ter inesquecíveis mergulhos com imensos cardumes de peixes.

 

Tartarugas Gigantes de Galápagos no rancho Primícias, Ilha Santa Cruz

 

No próximo post falaremos em maior detalhe o que fazer em Galápagos, com foco especial nas atrações de baixo custo e nos tour diários.

 

Ilha Bartolomé.

 

Quanto custa viajar para Galapagos:

 

Os preços podem variar dependendo da época do ano e da procura, mas segue abaixo um valor aproximado dos custos para que você possa se programar com antecedência.

- 350 a 500 USD: passagem aérea ida e volta para estrangeiros. Como falamos antes, pode-se voar tanto de Guayaquil como de Quito. Esse valor não inclui a passagem aérea até o Equador desde seu local de origem.

- 120 a 210 USD: tour diário. Nós fizemos o tour de Los Túneles (em Isabela) e o tour da Isla Bartolomé (saindo de Santa Cruz) e ficamos muito satisfeitos com ambos. 

- 30 USD: cada trecho de transporte entre as ilhas.

- 20 USD: hospedagem mínima por pessoa por dia, mas vápreparado para pagar mais que isso, dependendo do nível de conforto e da localização. Como há hotéis de luxo em Galápagos, o céu é o limite.

- 15 USD: gasto mínimo com alimentação por pessoa por dia. Essa estimativa considera pelo menos duas refeições por dia feitas no próprio quarto. É possível comprar comida mais barata no continente e levar para cozinhar em Galápagos, mas fique atento à lista de alimentos que podem ser levados para as ilhas, que é disponibilizada pelo Parque Nacional de Galápagos.

- 5 USD: ônibus que leva do aeroporto de Baltra até o píer, onde se embarca para Santa Cruz.

- 1 USD: ferry de Baltra a Santa Cruz.

- 1,50 a 2 USD: taxi boats ou taxis terrestres dentro da própria ilha (aplicável às zonas urbanas de Puerto Ayora (Santa Cruz) e Puerto Villamil (Isabela).

 

 Taxas obrigatórias:

- Cartilha de Migração: 20 USD, pagos no aeroporto, antes do embarque. 

- Entrada no Parque Nacional: 50 USD para cidadãos de países do Mercosul e Comunidade Andina, pagos ao sair do avião, em Baltra ou São Cristóvão.

 - Entrada para Isabela: 10 USD, caso queira conhecer essa ilha.

Flamingo e iguanas nas Poças Salinas de Puerto Villamil, Ilha Isabela.

 

Para concluir, ressaltamos que para qualquer viagem a Galápagos, o melhor é investir bastante tempo em pesquisa, para que ao chegar lá você possa aproveitar ao máximo e não ter surpresas desagradáveis. Certamente o arquipélago ficará marcado em sua memória como um dos lugares mais espetaculares do mundo.



Esse artigo foi lido vezes!

Sobre o Autor

Paulo e Ingrid

um casal que deixou tudo para viver uma aventura ao redor do mundo @shortlife.bigworld


Veja Também