Nossa experiência na Floresta Amazônica: Juma Amazon Lodge

  • 22 de agosto de 2018


Já pensou viver uma experiência em Plena Floresta Amazônica? Sim, é possível. Na Amazônia existem alguns poucos hotéis de floresta que fazem o turista viver uma experiência completa na maior floresta tropical do mundo.

 

 
Essa era a viagem que mais tinha vontade de fazer no Brasil. Estava no topo da minha lista havia anos, porém, nunca se encaixava em nossos planos. Finalmente em novembro de 2017 fomos convidados pelo Juma Amazon Lodge, um dos melhores hotéis de floresta da Amazônia para viver essa experiência.
 
Assistam o vídeo com os melhores momentos da nossa experiência no Juma Amazon Lodge e conheçam mais um pouco da floresta amazônica.
 
 
Onde fica o Juma Amazon Lodge:
 
Localizado no meio da Floresta Amazônica numa região remota e preservada, a mais ou menos 100 km de Manaus, o Juma Amazon Lodge é um pequeno e confortável hotel planejado para ser totalmente integrado à floresta.
 
A viagem até o Hotel está incluída no pacote. São mais ou menos três horas de viagem feita por veículos e barcos ou através de hidroavião que tem duração de 30 minutos de voo.
 
O hotel nos pegou por volta das 7:15 da manhã no nosso hotel em Manaus e fomos de carro até um dos Portos de Manaus. De lá seguimos em uma primeira lancha do Juma e passamos pelo encontro das águas, local onde o Rio Negro encontra o Rio Solimões. Esse primeiro percurso dura em torno de 25 minutos.
 
 
Depois pegamos um carro e viajamos por mais um hora e por último pegamos mais um barco e viajamos por mais uma hora. Parece cansativo mas não é! A viagem já é um delícia e durante o percurso já dá pra ir apreciando as belezas naturais da Amazônia.
 
Estrutura do Hotel:
 
O Juma Amazon Lodge possui 21 bangalôs que foram constituídos em terra firme sobre palafitas, na copa das árvores, totalmente integrado à Floresta Amazônica. Uma estrutura totalmente diferente de tudo que já vimos em nossas andanças pelo mundo.
 
 
Este engenharia é necessária para atender à época da cheia dos rios onde o nível da água pode subir até 15 metros. Como fomos em novembro, época que é o auge da seca, a estrutura do hotel ficava mais ou menos a 15 metros fora da água.
 
 
O Juma Amazon Lodge possui recursos ideias para um hotel de selva, aliando suas preocupações ambientais com conforto. Os bangalôs são dividos da seguinte forma: bangalô vista para floresta; bangalô com vista para Rio e o bangalô Panorâmico, local ideal para comemorações de datas especiais.
 
 
Nós ficamos hospedados no bangalô com vista para o Rio e ele possuía todas as amenidades necessárias para uma ótima hospedagem. Todos os quartos possuem rede, banheiro privativo e ventilador (mais do que suficiente para a noite Amazônica, mais fresca que na cidade).
 
Estrurura do Juma Amazon Lodge:
 
O Hotel é bem grande e possui uma estrutura bem legal. Vamos agora falar uma a uma das principais estruturas do hotel:
 
Na Recepção você encontra um pequeno bar, alguns jogos (cartas, gamão, xadrez, etc.), livros sobre a Amazônia, materiais para pintura e um telescópio profissional para a observação da lua e das estrelas
 
Deck e área da piscina: o Juma possui dois decks. Sendo um flutuante com uma piscina de água do Rio, ideal para nadar ou tomar sol; e outro construído sobre palafitas, na frente da recepção, que possui uma vista exuberante para o Rio.
 
 
O Deck alto é ideal para curtir o nascer do sol ou o pôr do sol acompanhando de um bom drink e interagir com os macaquinhos que moram soltos na ilha onde fica o hotel.
 
Um pequeno museu: neste local é ministrado pequenas palestras falando sobre a fauna, flora, costumes, culinária e lendas da região.
 
Restaurante: Existe um grande restaurante com vista panorâmica onde são servidos o café da manhã, almoço e jantar. Por falar em gastronomia a culinária do hotel é maravilhosa. Um comida caseira bastante saborosa com toques do regionalismo amazonense.
 
Atrações e Pacotes:
 
O hotel possui uma infinidade de atrações fazendo com que o hóspede tenha uma verdadeira experiência na floresta amazônica.
 
 
A programação vai depender do número de dias escolhido. É possível tanto passar uma diária como o pacote máximo de 5 diárias que faz com que o hóspede conheça todas as atrações disponíveis na região.
 
As atrações oferecidas pelo hotel são: encontro das águas; flutuante do pirarucu; passeio de canoa; focagem de jacaré; nascer do sol; caminhada na floresta; pescaria de Piranha; palestras; caminhada com pic nic na floresta; visita a casa de cabloco; visita a uma Sumaúma; passeio nos arredores do hotel; escalada em árvores; plantio de árvores; pernoite na floresta; interação com botos; caminhada noturna na floresta e passeio de hidroavião.
 
 
Nosso pacote foi o Arara, pacote de duas diárias, e nossa programação foi a seguinte:
 
 
O trajeto entre o nosso hotel em Manaus até o Juma levou mais ou menos três horas. O trajeto é bem bonito e no primeiro trecho é possível conhecer o encontro do Rio Negro com o Rio Solimões, um verdadeiro espetáculo da natureza.
 
 
No segundo trecho de Rio é possível observar a vida dos ribeirinhos que vivem nas margens do Rio Juma. A vida na região é bem peculiar, pois como os rios tem uma variação de 15 metros entre a estação da seca e da cheia muitas casas são flutuantes e outras construídas no alto das encostas sob palafitas.Também é possível observar vários pássaros, botos cinzas e cor de rosa e jacarés.
 
 
A chegada no Juma Amazon Lodge é triunfante! Ver toda aquela estrutura no meio da floresta é emocionante. Assim que chegamos Leon, um dos funcionários do hotel, nos serviu um suco e nos passou toda programão do hotel e do nosso pacote.
 
Ficamos aos cuidados do Guia Ralf, rapaz nascido e criado na região que entende tudo sobre a flora, fauna e sobrevivência floresta. Além disso, falava inglês perfeitamente e como 98% dos visitantes são estrangeiros facilita demais o diálogo.
 
Nosso primeiro passeio foi um passeio de canoa nos arredores do hotel. Esse foi um dos passeios que mais gostamos. Foram quase 2 horas e meia remando no Rio Juma e observando diversas espécies de peixes e de aves.
 
 
Todos os dias entre às 17 e 18 horas o hotel oferece um lanche na Recepção com varias opções de bolos, biscoitos, café e chás. Um momento ideal para interagir com os outros hóspedes e com os macacos que vivem na floresta do hotel além de ter uma vista privilegiada para o pôr do sol da região.
 
 
Na parte da noite todos se reúnem no restautante do hotel para jantar e falar sobre a programação do outro dia. O jantar é servido diariamente das 18 às 17 horas e a comida é deliciosa.
 
Após o jantar fomos com nosso guia fazer a focagem de jacarés. É impressionante a destreza dos ribeirinhos de pegar jacarés apenas com as mãos. Segundo eles durante o período da noite basta iluminar os olhos que os animais ficam hipnotizados o que facilita pegar o animal.
 
 
Ralf pegou um jacaré de mais de um metro e deu uma verdadeira aula sobre os jacarés e depois soltou novamente no mesmo local que capturou. Ainda tivemos a sorte de ver uma cobra caçando um mocego! Parecia uma cena do Nacional Geographic.
 
 
Os quartos são bastante amplos e confortáveis. Os quartos não possuem ar condicionando, mas diferentemente do calor escaldante do dia a floresta a noite possui um clima mais agradável e ameno o que possibilita boas noites de sono.
 
No segundo dia iniciamos acordando por volta das 5 horas da manhã e nosso primeiro passeio foi observar o nascer do sol no Rio Juma. Saímos por volta das 5:30 da manhã e pudemos observar diversos animais em seu habitat. O nascer e o pôr do sol na Amazônia é um verdadeiro espetáculo, portanto, fique de olho para não perde os horários.
 
 
Voltamos para o hotel, tomamos café da manhã e saímos para fazer uma trilha na floresta amazônica. Durante a trilha tivemos outra aulas sobre os animais, as plantas e sobre o artesanato local. Andar pela floresta fechada foi uma sensação incrível.
 

 
Diferentemente do que muita gente pensa é muito difícil observar animais de grande porte na Amazônia. Durante nossa viagem vimos dezenas de espécies de aves, macacos, jacaré, bicho preguiça, botos, aranhas, cobra e diversos insetos.
 
No retorno almoçamos, descansamos um pouco e fomos na parte da tarde fazer a famosa pescaria de Piranha. Na época da seca é a melhor época para pescaria na região, inclusive, durante o período que estávamos no Juma diversas pessoas estavam no hotel com esse intuito.
 
 
Por fim, nossa última programação foi uma palestra no museu do hotel. Novamente nosso guia Ralf deu uma aula majestosa sobre os animais, plantas e a cultura da região. Amamos exatamente tudo e não faríamos nada diferente. Se tivéssemos com tempo ficaríamos um dia a mais, pois saímos com aquele gostinho de quero mais.
 
O que levar para o Juma:
 
Roupas leves pois o calor na floresta é bastante grande; repelente (na época que fomos não sentimos mosquitos, mas é sempre bom ter em mãos); tênis e calça apropriados para trilha; roupa de banho; chapéu para proteção do sol; equipamento fotográfico e muita disposição para a longa jornada de atividades.
 
O que achamos do Juma Amazon Lodge:
 
 
Visitar a Amazônia não é uma viagem normal igual que a grande maioria da população está acostumada! Visitar a Amazônia é uma “experiência” que nunca sairá da memória das pessoas que tiverem a oportunidade de visitar uma biodiversidade tão rica.
 
O Juma Amazon Lodge não é um hotel qualquer é um hotel repleto de passeios onde o hóspede vai pra lá com o intuito de fazer essa imersão com a natureza e seguir todas as programações oferecidas pelo hotel.
 
Enfim, viver essa experiência de selva foi uma das melhores viagem que já fizemos em nossas vidas e sem dúvida a melhor ou segunda melhor que já fizemos no Brasil. Espero que tenham gostado de nossas dicas e qualquer pergunta que porventura tenham é só perguntar que teremos o maior prazer em respondê-los.
 
Para maiores informações acessem o site WWW.JUMALODGE.COM.BR


Esse artigo foi lido 3431 vezes!

Sobre o Autor

Marcio Vital Valença

Advogado e explorador do mundo nas horas vagas. Conhece mais de 45 países em todos os continentes. Instagram @marcionomundo


Veja Também