Marcio no Mundo




Torres del Paine: um paraíso na Patagônia chilena


Publicado em 03 Jul 18



Booking.com



O Parque Nacional de Torres del Paine fica situado na Patagônia chilena, na região de Magalhães, e é um destino que vem cada dia mais sendo descoberto pelos turistas brasileiros, principalmente por àqueles que gostam do ecoturismo, de treeking e de admirar paisagens de tirar o fôlego.
 
 
 
 
Glaciar Serrano.
 
 
Como chegar:
 
 
A maneira mais procurada e mais fácil de se chegar até Torres del Paine é via Santiago, capital do Chile. Tiremos o trecho de ida e volta de Maceió - Santiago por vinte mil pontos pela LATAM. Já o trecho interno Santiago - Punta Arenas custou 1000 reais o trajeto de ida e volta e foi feito pela LAN Chile. O voo tem duração média de 3 horas e vinte e cinco minutos e se procurado com maior antecedência pode ser comprado com um preço mais atrativo.
 
 
Assim que chegamos no aeroporto toda cidade estava coberta de neve, com temperatura de -1 grau. Pegamos uma Van no aeroporto até a empresa Bus Tour, empresa que faz o trajeto entre Punta Arenas até Puerto Natales. Compramos nosso ticket na hora, sem necessidade de reserva e custou aproximadamente 50 reais. Com 10 minutos já estávamos embarcando! A sensação é que os ônibus são sincronizados com os voos que chegam, pois várias pessoas que estavam no voo pegaram o mesmo ônibus.
 
 
 
 
O trajeto até Puerto Nalates é bem bonito, passando por várias fazendas! Pegamos muita neve na estrada! São 258 km de distância entre uma cidade e outra, mais ou menos 2 horas e meia em um confortável ônibus. 
 
 
A cidade de Puerto Natales é onde os turista montam base para fazer os passeios pelo Parque Nacional de Torres del Paine que fica a mais ou menos a 60 km do centro da cidade, 45 minutos de ônibus do parque. 
 
 
 
 
Onde ficar hospedado:
 
 
A cidade conta com ótimas opções de hospedagem para todos os bolsos e gostos! Ficamos hospedados no Hotel CostAustralis. Fizemos a reserva no Brasil, através do site Booking, e custou 100 usd a diária!
 
 
O hotel fica localizado na beira do canal Senoret que mais parece um lago! A hospedagem era muito confortável, com ótimos quartos, café da manhã excelente e o melhor: organizava todos os passeios da região. Contratamos na chegada todos os passeios com o pessoal do hotel. Conheçam os hotéis da região clicando aqui e façam sua reserva.
 
Quando ir:
 
 
As Torres del Paine podem ser visitada o ano inteiro, contudo, os meses mais recomendados são durante o período de setembro a abril, pois no inverno algumas atrações e hotéis ficam fechados por conta da neve e do frio. Fomos em agosto de 2016, em pleno inverno e adoramos! Tivemos a felicidade de pegar dois dias incríveis de muito sol sem praticamente uma nuvem e as fotos ficaram belíssimas.
 
 
 
 
Onde comer: 
 
 
A gastronomia chilena não é a minha favorita da América do Sul, mas mesmo assim possui ótimas opções de frutos do mar e carnes! Durante nossa viagem comemos nos seguintes locais em Puerto Natales: Santolla e El Bote. O Santolla é mais sofisticado e é um dos mais recomendados do tripadvisor, contudo, preferimos o El Bote que é muito mais simples e barato. 
 
 
 
 
Existem vários outros restaurantes na região, entretanto, não tivemos tempo de visitar! Aparentam ser legais o Aldea Restaurant e o The Singular.
 
 
Principais passeios: 
 
 
Passeios Glaciares Balmaceda e Serrano:  Trata-se de um passeio de barco no Parque Nacional Bernando O’Higgins, parque localizado próximo a Puerto Natales, onde os pontos altos são os Glaciais Balmaceda e Serrano. Contratamos o passeio no hotel com Empresa 21 de Mayo e custou 400 reais por pessoa e incluía todo o passeio de barco e um almoço.
 

 
Pontualmente às 8:00 horas a empresa nos pegou em nosso hotel em um ônibus e fomos até o local de embarque! Embarcamos em um barco de médio porte, com uma boa estrutura e calefação (indispensável no inverno)! Depois de quase uma hora e meia de navegação chegamos no Glaciar Balmaceda! Neste local não descemos do barco. Ficamos apenas admirando aquela linda geleira que descia do topo da montanha até o encontro com o mar.
 
 
Glaciar Balmaceda.
 
 
Continuamos o trajeto durante mais de 2 horas pelo canal e durante o trajeto vimos algumas cachoeiras e vários animais com destaque para os pinguins, leões marinhos e algumas espécies de aves! Para chegar até o Glaciar Serrano é necessário fazer uma pequena trilha de nível fácil até o observador do glaciar.
 
 
Vista do Glaciar Serrano ao fundo.
 
 
Esse pequeno percurso é incrível. Com lindas paisagens e vários pontos para fotos! O trilha tem duração de 20 minutos e qualquer pessoa que tenha vigor físico razoável consegue fazer! 
 
 
Após conhecer o glaciar embarcamos novamente e seguimos para uma fazenda onde seria servido o almoço. Durante esse segundo trajeto nos foi servido uma dose de uísque que tomamos apreciando o lago e aquecendo o corpo do imenso frio da região.
 
 
 
 
A parada para o almoço é simplesmente esplendorosa! Em uma fazenda que fica localizada nas margens do lago, com uma vista para as montanhas! Lá comemos um cordeiro patagônico, prato típico da região, acompanhado com batata assada e vinho! Apenas uma taça estava incluída no passeios e se quisesse outra custava 5 reais cada. Impossível tomar apenas uma curtindo aquele cenário cinematográfico.
 
 
Vista da Parada para almoço no passeio dos Glaciares.
 
 
Chegamos no hotel por volta das 18:30 horas! É um passeio de um dia inteiro que na nossa opinião é imperdível. Na baixa estação acontece apenas aos domingos e na alta estação com maior frequência! 
 
 
 
Passeio Full Day no Parque Nacional de Torres del Paine: Como o próprio nome já diz é um passeio de dia inteiro (das 8:00 hs até às 17:00 hs) percorrendo as principais atrações do Parque Nacional. Nesse tour é recomendável levar lanche ou contratar o almoço que é bem caro por sinal. 
 
 
Los Cuernos.
 
 
A empresa nos pegou em nosso hotel às 8:00 horas da manhã e seguimos à caminho do Parque. São cerca de 60 km até a entrada do parque! Nossa primeira parada foi na cueva de Milodón, local onde vivia um espécie de animal pré-histórico que parecia com um urso.
 
 
Cueva de Milodón
 
 
O passeio passa por diversas atrações! Cada uma mais bonita que a outra. As principais são: cueva del milodón, laguna amarga, lago grey, lago pehoe, salto grande, Torres Del paine, los cuernos (montanha em formato de dois chifres) e lago sarmiento (lago verde) e cascata do Rio Paine.
 
 
O Laguna Amarga é uma atração belíssima! É deste local onde é possível observar o reflexo das torres del Paine no lago! Foi onde tiramos a melhor foto da viagem. 
 
 
Torres del Paine.
 
 
Durante todo o passeio é possível conhecer um pouco mais da fauna e da flora da Patagônia! Vimos vários animais como a vicunha, o puma e várias aves.
 
 
 
 
Das atrações que visitamos no parque as mais bonitas são as Torres del Paine, a Laguna Amarga e a Cascata do Rio Paine! 
 
 
Cascata do Rio Paine.
 
 
Após visitar a maioria das atrações paramos em uma espécie de refeitório ao ar livre onde comemos o lanche que levamos! Depois fizemos uma trilha de mais ou menos 50 minutos até o Lago Grey, local onde é possível avista o Glaciar Grey e diversos icebergs no lago! Quem tiver mais disposto é possível ainda subir em um morro para admirar o glaciar. Já estávamos exaustos e não subimos, rsrs.
 
Lago Grey e seus icebergs.
 
 
Após a trilha voltamos e chegamos em nosso hotel por volta das 17:00 horas. Sem dúvida foi o passeio que mais gostamos na região. Ver as Torres del Paine de diversos ângulos realmente é uma sensação indescritível.
 
 
O passeio custou R$ 250,00 reais por pessoal!
 
 
Outros passeios: 
 
 
Existem vários outros passeios na região como o Passeio de Barco no Lago Grey que é fechado no inverno; Trilha de 7 horas para a base das Torres del Paine e as famosas trilha "W" que tem duração média de 4 dias e a trilha "O" que dura de 7 a 10 dias. Essas últimos passeios são realmente para quem gosta treeking e acampamento. 
 
 
Dicas gerais:
 
 
1 - fazer um seguro viagem legal principalmente se for fazer trilha;
2 - como na Patagônia o tempo muda em um piscar de olhos é interessante ir preparado para o frio extremo e levar roupas adequadas paras as atividades que serão praticadas;
3 - na época que fomos (agosto de 2016) valeu mais a pena levar dólar ou euro do que o real;
4 - brasileiros não precisam de visto ou vacina para viajar para o Chile, basta identidade em bom estado de conservação e com menos de 10 anos;
5 - quatro dias é o ideal para fazer os principais passeios da região;
6 - o idioma falado na região é o espanhol, mas muitas pessoas falam inglês;
7 - a eletricidade é de 220V e a tomada é a de 2 ou 3 pontas.
 
 
Não deixem de ver nosso vídeo com os melhores momentos da nossa viagem e aproveitem e assinem nosso CANAL:
 
 
 
 
Enfim, valeu demais ter conhecido essa linda região da Patagônia chilena! O destino se revelou um verdadeiro show de paisagens ideal para os amantes da natureza e da fotografia. Qualquer dúvida é só perguntar que teremos o maior prazer em respondê-los.
 
 
 
 
Fotos e vídeo: Diogo e Márcio Valença.


Esse artigo foi lido 10365 vezes!


Texto Escrito Por:

Marcio Valença

Médico, apaixonado por viagens e fotografia.



Comentários

Publicidade




Booking.com

Seguro viagem geral 250x250

Encontre-nos no Facebook




Posts Relacionados


Dicas completas de Santiago do Chile

22 Jan 19

Casas del Bosque: uma vinícola-experiência nos arredores de Santiago

13 Nov 18

Nossas dicas do Atacama: uma viagem cheia de cores e sabores

26 Jul 18

Posts Mais Populares


Alagoas: Dicas de São Miguel dos Milagres

Alagoas

Guia completo de Maceió

Alagoas

Praia do Patacho - uma das praias mais bonitas do Brasil

Alagoas