Um feriadão na Bahia

  • 01 de março de 2017


Uma viagem a trabalho me levou a Salvador. Sem pensar duas, vezes, ponderei que aproveitar uma esticadinha com o marido pela região valeria a pena, e fomos logo usando nossas milhas e emitimos as passagens dele, afinal, “a vida é uma só”...rs

LEIAM NOSSO POST COM DESTINOS DE LUA DE MEL.

Dormimos a primeira noite no Intercity do Aeroporto, já que o Dani chegou tarde, e iríamos pegar a estrada cedo pela manhã para conhecer o Tivoli Ecoresort Praia do Forte. O hotel é bem novinho, super ajeitado, e o serviço também muito bom. Gostamos bastante (pelo menos para esse pit-stop). Mas acho que não vale ficar hospedado por lá se a intenção for desbravar a capital soteropolitana, pois fica bem longe (aliás, em outro município, Lauro de Freitas). Por outro lado, se sua intenção for fazer de Salvador a porta de saída para o litoral verde, esse hotel cai como uma luva!

 

Combinamos com o taxista que me pegou no aeroporto um “pacotão” para fazer os traslados para a Praia do Forte e os de Salvador para os dias posteriores, e valeu muito a pena...já vou avisando: o taxi em Salvador é uma coisa de caro!!! O preço tabelado de uma corrida do aeroporto para o Centro não sai a menos de 100 reais. Por isso é legal se planejar antes e tentar combinar um preço legal com um motorista ou um serviço de transfer com antecedência. 

 

* Na Mata Nativa, por exemplo (uma empresa que apareceu na nossa pesquisa), só a ida e volta à Praia do Forte sairia por cerca de 320 reais. Pagamos menos que isso, incluindo os deslocamentos dentro e fora de Salvador. ;)

 

Saímos do Intercity por volta das 7:30h da manhã e chegamos ao Tivoli a tempo de aproveitar um dia inteiro de praia (o trajeto dura pouco mais que uma hora). Fomos agraciados com um early check in, e logo nos acomodamos na nossa suíte. Foi inevitável passar grande parte do nosso tempo naquela enorme piscina azul infinita do resort, degustando um vinho branco, com pausas para saborear uma moqueca de camarão daquelas que só a Bahia pode oferecer. Dá saudade só de pensar! 

 

 

Já ao final do dia, quando chegamos ao nosso quarto, uma surpresa: espumante cortesia já preparado no balde de gelo!...souberam como nos cativar, rs! Foi só o tempo de tomar e ver o por do sol, e fomos direto para o restaurante do hotel que, aliás, funciona em sistema de meia pensão. No início, pensamos até em sair pra jantar na vila, já que muitas vezes comida de all inclusive ou esses buffets de resort costumam não ser tão palatáveis assim. Mas foi justamente quando nos surpreendemos ainda mais com o Tivoli. A comida era sensacional, mesmo nesse sistema, e valeu demais termos ficado por lá. O ambiente também, super agradável, e garçons cordiais para completar o cenário. Para melhorar, só recomendo sentar na varanda, pra sentir aquela brisa gostosa vindo do mar.

 

 

No dia seguinte amanhecemos com o sol batendo forte na varanda do quarto, a praia já chamando...o café da manhã também foi excepcional...poderia ficar horas e horas degustando as delícias baianas naquela mesa farta e deliciosa. Mas fomos dar uma caminhada pela praia até a vila da Praia do Forte, e no meio do caminho nos deparamos com uma tartaruga saindo do mar para colocar os ovos na praia! 

 

 

 

Foi lindo! Ela demora horas nesse processo, e é o tempo do pessoal do Projeto Tamar chegar para acompanhar e proteger esse momento tão especial para preservar a espécie. 

 

 

Chegando à Vila, percebemos que o tchanslá é mesmo à noite, pois a cidadezinha estava com as lojas quase todas fechadas, ainda despertando...ficamos com uma vontade enorme  de voltar lá à noite, pois é tudo bem charmoso, mas não perderíamos por nada o jantar deli do Tivoli! 

 

Pegamos o caminho de volta da praia e voltamos logo pra garantir umas espreguiçadeiras frente ao mar, localizadas estrategicamente sobre a grama (acho uma delícia praia com grama...rs). O legal do Tivoli é que ele é um resort, mas não deixa de ter um borogodó. Um lugar ideal para casais ou para famílias...aliás, para crianças percebemos que é fenomenal, principalmente se forem bebês, pois tem uma estrutura bem legal e a praia é bem calminha e, a água, quentinha. 

 

 

Por falar em água, estava dando um mergulho quando me deparei de cara com outra tartaruga, gigantesca: levei um baita susto!! Comecei a acenar pro Dani tirar foto, e ela ali ao meu ladinho, dona do pedaço! Ele conseguiu capturar direitinho o momento, pena que de longe!  

 

 

O hotel também tem também uma parte náutica pra aluguel de SUP, caiaque, windsurfe, onde também é possível contratar aulas pra aprender tudo isso! 

 

Uma coisa que não gostamos muito, e que foi chato, foi terem trocado o preço do cardápio de um dia pro outro e com um aumento substancial...tudo bem, as coisas estão aumentando mesmo e a inflação está aí, mas não justifica você pagar pelo mesmo vinho um preço diferente do dia anterior! 

 

Mas questões econômicas à parte, a experiência lá foi nota mil. Recomendamos fortemente como hospedagem na Praia do Forte, pois pelo que reparamos da estrutura hoteleira de lá, são poucos os que oferecem um pacote tão bom de serviços, que sejam na praia, e ainda mantenham o charme necessário a um hotel. 

 

Saindo de lá, rumamos para o Zank By Toque, em Salvador. Ele foi adquirido pelo grupo do Toque (aquele famoso de Milagres), e isso por si só já seria um atrativo. Mas o fato é que ele é um dos poucos hotéis realmente boutique da cidade. A arquitetura é uma graça, pois sua sede é um casarão centenário reformado, mantendo ainda vários traços lindos dessa época. São apenas 16 suítes, o que de fato me agradou muito...a nossa era pequena, mas muito confortável. 

 

 

O dia amanheceu meio nubladinho (mas logo o sol abriu) e não estávamos muito afim de bater perna por aí, pois os dois já conheciam a cidade e queriam evitar o burburinho do pré carnaval. Optamos por aproveitar a piscina do rooftop to hotel, curtindo la dolce vita lá de cima, com vista mar. O mobiliário estava um tanto diferente das fotos do site, o que nos causou estranheza, já que eram muito mais bonitos pelas fotos. Mas isso não atrapalhou nossa manhã de descanso. Os dadinhos de tapioca com geleia de pimenta agradaram demais! De modo geral, a culinária no hotel era bem gostosa, mas não muito surpreendente. A gente tinha jantado lá na noite anterior, pois o jardim onde as mesas são postas era super aconchegante e, o clima, bem intimista, à luz de velas. Foi lindo!

 

 

Lá pelo final da tarde, seguimos a recomendação do nosso parceiro Márcio e fomos lá para a Bahia Marina, onde encontramos diversas opções boas de restaurantes. Sentamos logo no Lafayette ao final da tarde, em uma varandinha debruçada em cima do mar e da qual pudemos ver o sol se pondo. A comida, por sinal, fantástica!!! Ambiente show, atendimento impecável e som de qualidade. Entra então pra lista de recomendações ;)

 

 

LEIAM NOSSO POST COM DESTINOS DE LUA DE MEL.

Como o próprio título deste post diz, nossa passagem pela Praia do Forte e Salvador foi bem ao estilo slow travel...curtimos vagarosamente cada segundo na praia, piscina, desfrutando de um merecido descanso nesses poucos dias de sol e mar. Agora é continuar seguindo o lema: trabalhar pra viajar! 

 




Sobre o Autor

Fernanda de Castro Carvalho

Fernanda de Castro Carvalho é advogada e trabalha na ONU pela defesa dos direitos humanos. Para ela, viajar se tornou mais do que um hobby: é uma necessidade! Nas horas vagas, sonha com o próximo destino e compartilha suas dicas de viagens no insta @nosdo


Veja Também