Explorando o Sri Lanka por @relatosdeviagens

  • 01 de outubro de 2015


Já falei curiosidades sobre o antigo Ceilão, mas aí vem a questão, o que fazer por lá?

 

 

 

Visitei as cidades de Nogombo, Colombo, HabaranaKandy, a região de Dambulla e a região de Pinawalla e aqui vou falar sobre algumas atrações em cada lugar que passei:

 

Pinawalla

 

Estive em Pinawalla apenas de passagem por um dia, não dormimos por lá, pois a atração principal da região pode ser feita em um dia. 

Pinawalla Elephant Orphanage e Rio Maha: Primeiro passeio que fiz no país e sem dúvidas é IMPERDÍVEL. Lá é onde está um dos maiores cartões postais: dezenas de elefantes banhando-se pelo Rio Maha.  Esta região fica a algumas horas de Kandy e muitas horas de Negombo, local onde passei a primeira noite depois da chegada. 

 

 

Na realidade os elefantes que se banham nesta região não são selvagens como imaginei inicialmente (e me frustrei um pouco, mas em outra região fizemos um safári com elefantes selvagens sim!). Aliás, até que alguns poderiam ter sido, mas hoje todos eles fazem parte do Pinawalla Elephant Orphanage, um orfanato de elefantes que fica pertinho do rio. O que ouvi falar é que, como o elefante é um bicho muito caro de manter pela quantidade de alimento que ingere por dia (em média 25KG), muitas pessoas começaram a abandonar seus elefantes e o orfanato surgiu como uma oportunidade de mantê-los e ainda lucrar financeiramente. Não posso comparar 100% com um zoológico porque é um pouco diferente, os elefantes maiores ficam soltos lá dentro, apenas os menores que ficam “enjaulados” e recebendo algum tipo de treinamento. Lá se pode interagir com os elefantes, como alimentá-los por exemplo.

 

 

Um dos cuidados que o orfanato tem com os elefantes é levá-los algumas vezes ao dia para se refrescar no Rio Maha, soltos pelas ruas até chegar lá, e surge a cena belíssima deles soltos se refrescando. 90% dos elefantes não usam correntes, apenas os mais levados. 

 

 

Dica: nessa região existem muitas lojinhas de souvenirs e lá é onde se pode encontrar a pulseira de cabelo de elefante que eu comentei no item “compras” no outro post. Outra coisa bacana que vi por lá foi a fábrica de papel reciclado de coco de elefante!

 

Mais uma dica, desta vez de restaurante: uma vez neste lugar, o almoço TEM que ser no restaurante do Elephant Park Hotel que fica exatamente em frente ao Rio Maha. A comida era fraca, mas a vista é ESPETACULAR. Desfrutamos de um almoço com vista para os elefantes e foi incrível.

 

Kandy:

 

Uma cidade pequena com um lago gracioso em seu centro que vale a pena ser explorada a pé, além das principais atrações.

 

 

Sri Dalala Maligawa Temple: Este templo é Patrimônio da Humanidade pela UNESCO e é um lugar mega sagrado para os budistas do mundo inteiro, pois lá se encontra um dente de Sidarta Gautama, o BUDA. Ou seja, numa comparação (minha, diga-se de passagem) seria algo como se um católico fosse encontrar algo tipo o sudário.  Local de muita fé entre os cingaleses. Ele é lindo, imponente, de uma energia incrível e LOTADO. As filas para ver o dente são gigantescas e podem durar o dia inteiro. 

 

 

Este elefante carregou o dente do Buda dor 82 anos e quando ele morreu todos ficaram arrasados no país. Hoje ele está empalhado e fica no mesmo templo onde o dente está. Os Cingaleses o consideram sagrado.

 

 

 

Jardim Botânico Real de Paradeniya: O jardim botânico da cidade existe desde 1371, pertencia a um antigo rei e foi passando de geração em geração, sendo cada vez mais incrementado. O local é lindo e possui muitas plantas tropicais parecidas com as nossas brasileiras, além de um belíssimo orquidário e o espaço livre que é muito gracioso. Também é possível ver diversas árvores plantadas por pessoas importantes, como Indira Gandhi , por exemplo. 

 

 

Fábrica de Chá: Existem várias na região e acho legal a visita por ser algo muito típico. Lembrando que o país é o segundo maior produtor de chá do mundo. Visitei a fábrica Embilmeegama Tea Factory e os chás eram divinos. Atenção! Pergunte sempre o preço antes de ir ao caixa, alguns pacotinhos podem passar de U$100.

 

Apresentação local de danças típicas: Estava na dúvida se enquadrava como pegadinha para turista ou item imperdível, até que me decidi: é imperdível! Prepare-se para ir a um local sem estrutura, sem ar condicionado, bem simples e ver uma apresentação também sem muito luxo, que chega a ser até um pouco engraçada. Mas o bacana é que dá para ver um pouco mais da cultura do local, músicas, trajes e danças típicas, além de que todos os turistas acabam interagindo no final. 

 

 

Existem dois “teatros” que fornecem este tipo de serviço e ambos são muito parecidos, o que fui chamas-se Kandy Dance Performance.

 

Dambulla:

 

Minha visita à Dambulla foi como à região de Pinawalla, estive apenas de passagem para ver uma atração e dormimos em outra cidade, Habarana.

 

Templo das Cavernas de Dambulla: O templo budista mais belo que já visitei! O Rock Templo ou Gold Temple é simplesmente incrível e possui aproximadamente 1100 anos, além de ser Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Este templo, que possui 5 cavernas, fica encravado nas rochas e impressiona pelas paredes e tetos ricamente decorados. Para acesso é preciso subir por uma trilha cansativa, além de encarar muitos degraus, mas o local é a grande recompensa. Lá é possível encontrar aproximadamente 153 imagens de Buda em detalhes em dourado e fazendo vários mudras diferentes e na última caverna o Buda reclinado, em passagem para o nirvana.

 

 

 

Habarana:

 

Elephant Safari – Kandulla National Park: O percurso do safári feito de Jipe é pelo Parque Nacional próximo da cidade de  Habarana. Achei super bacana ver os elefantes selvagens e outros animais como búfalos, por exemplo. O parque é imenso e o safári imperdível.

 

 

Fortaleza de Sigiriya: Em minha opinião esta é, sem dúvidas, a melhor atração do Sri Lanka. Também Patrimônio da UNESCO, data da era A.C. foi construída no século V. A subida conta com uma trilha e mais 1200 degraus! Um desafio que vale super a pena para a visita do sítio arqueológico mais incrível que já visitei.

 

Vila de Hiriwadduma: A região de Hiriwadduma é perto da fortaleza de Sigiriya e é o local ideal para quem deseja ter experiências típicas da população rural cingalesa. Lá é possível vivenciar um pouco de tudo: passeio em carro de boi, passeio de canoa, de tuk tuk e ainda provar um delicioso almoço típico feito de maneira bem rústica. 

 

 

 

Polonnaruwa: A região e Polonnruwa (pólonarúa pronúncia) faz parte da Ancient Sri Lanka e também é Patrimônio da humanidade pela UNESCO. As belíssimas ruínas da antiga cidade do século 12, que foi fundada pelo Rei Parakramabahu I, chamam a atenção por estarem bem preservadas. Os monumentos são belíssimos. 

 

 

Colombo

 

A cidade possui 2 milhões  de habitantes e mostra possuir uma excelente convivência entre diferentes religiões. Não acho que seja necessário muito tempo na capital do SriLanka. Em pouco tempo dá para ter um panorama geral e para mim já estava visto. Com um interior tão rico em história acho que o tempo pode ser mais bem direcionado para as atrações anteriores. Um city tour básico precisa envolver: o templo budista de Gangaramaya, o antigo Parlamento, o mercado flutuante, o monumento à independência, entre outros. 

 

Negombo:

 

Adorei a cidadezinha. Além do Hotel maravilhoso em que ficamos, a praia linda e quase deserta, ruas com bares, lojas de souvenirs e joias. Este foi nosso hotel de apoio na ida e na volta, uma vez que o aeroporto fica em Colombo e não nos hospedamos lá. Vale a pena ficar na cidade sim, mas não precisa gastar muito tempo por lá também. 

 

Dica: Faça um passeio de jangada pelo mar! É só chamar um pescador na praia que ele te leva. Achei sensacional esta jangada totalmente diferente das nossas.

 

 

 

Espero que tenham gostado das dicas! Qualquer dúvida é só perguntar que teremos o maior prazer em responder.



Esse artigo foi lido 1789 vezes!

Sobre o Autor

Ana Carla Gameleira

Psicóloga clínica e nas horas vagas viajante. Acompanhem minhas fotos no Instagram: @relatosdeviagens


Veja Também