Marcio no Mundo




O Triângulo Dourado da Índia: Nova Délhi, Agra e Jaipur


Publicado em 01 Ago 16



Booking.com



Os primeiros passos da maioria dos novatos são por aqui, e tem que ser assim mesmo. Índia em doses homeopáticas. Rsrs

 

 

 

Deixamos a capital do país num trem para Agra, onde está localizado o grandioso Taj Mahal. Nossa primeira experiência com trens indianos e chegamos a uma conclusão: não existe melhor forma de transporte aqui! Claro que eles atrasam um pouco, e ir ao banheiro em bacias turcas não é exatamente o que estamos acostumados, mas eles são eficazes e a viagem em si é uma das grandes aventuras na Índia. 

 



 

Estávamos super entusiasmados em ver o místico Taj Mahal. E não queríamos estragar a surpresa vendo ele de longe. Como chegamos a noite em Agra, fomos direto da estação de trem para o hostel. Óbvio que o motorista de tuk tuk já quis nos levar para um Mercado Tax Free, mas agora já estávamos cientes de como funciona com esses 'malandrinhos' e conseguimos chegar no hostel são e salvos.



Acordamos as 04:00am para não perder o incrível nascer do sol nessa maravilha do mundo. Fomos andando até o Taj com duas americanas que conhecemos no hostel, mas que a sintonia foi instantânea. Todo o caminho é parte da atração, ainda no escuro você pode ver carrinhos de golfe, charretes categoricamente decoradas e coloridas, e até camelos transportando as pessoas para o mais belo evento que vimos na Índia: o Taj acordando para mais um dia.

 

Entrada do Taj Mahal.


Sabe aquele lugar que é tão cortejado e quando você conhece ao vivo e em cores, não é "tudo aquilo" que você esperava? Tenho certeza que cada um de nós já passou por isso. Mas definitivamente NÃO É O CASO DO TAJ MAHAL. 

 



 

Uma das coisas mais belas e emocionantes que já vimos na vida. Da entrada já fomos avistando todas as formas perfeitamente simétricas sendo tomadas por uma cortina laranja de raios de sol, que pouco a pouco foram iluminando-o. Parecia uma miragem no horizonte, perdido no meio daquela névoa do amanhecer, quase flutuando. Tão belo que chega a ser surreal, parte do imaginário ou de um sonho.

 



Descrever aqui, ou mostrar uma foto, jamais serão o suficiente para traduzir realmente o que é o Taj Mahal. Um título mais que merecido.

 



 

Passamos horas lá dentro, simplesmente admirando os detalhes no mármore branco, em entalhes perfeitos. Todo o complexo que envolve o Taj é maravilhoso. A medida que o sol foi esquentando mais e mais pessoas chegavam por aqui, de toda parte do mundo. Mas os indianos ainda dão um toque mais especial ao lugar, recheando-o de cores e sorrisos.

 



Perto da hora do almoço deixamos o Taj Mahal e fomos para o Forte de Agra, também construído com uma forte característica Mughal: o arenito vermelho. Lembrando um pouco o forte em Délhi. Nossa próxima parada foi um monumento conhecido como Baby Taj, essa tumba lembra a grande maravilha.

 



Fechamos o dia em Agra com a vista do Taj Mahal do outro lado do rio. Por conta da perfeita simetria, todos os lados do Taj são idênticos, e a vista do outro lado do rio é uma diferente perspectiva.



Corremos um pouco, mas conseguimos ver o melhor de Agra em um dia. No dia seguinte já embarcamos num trem com destino a Jaipur, a outra ponta do triângulo dourado.

 

Pelas ruas de Jaipur.


A cidade rosa do Rajastão é praticamente um conto de fadas indiando. Toda essa região tem uma forte herança dos Marajás, e ostentação em detalhes.

 


Jaipur tem o apelido de "pink city" pois durante o século 19 as fachadas das casas e palácios que hoje são a região "antiga" da cidade foram pintadas de vermelho, numa tentativa de conseguir se assimilar ao arenito muito utilizado no império Mughal. Atualmente, as fachadas são patrimônio histórico da cidade, e dão aquele ar mágico a Jaipur.

 



Nosso tour pela cidade começou pelo incrível Hawa Mahal, o palácio dos ventos. Com suas mais de mil janelas, e uma fachada em forma de colméia, essa imponente edificação foi criada para que as mulheres da corte pudessem ver os trabalhos dos comerciantes sem serem vistas. E realmente, se comparado ao calor da cidade de Jaipur, a temperatura do Hawa Mahal é bem agradável por conta da brisa que corre em todo palácio.

 

 

 



Tiramos depois a tarde para nos perder nas ruelas dentro da cidade rosa, o que é um passeio maravilhoso mesmo que você não compre nada. Frutas, temperos, panelas, tecidos e turbantes você pode encontrar aqui. As duas principais regiões que concentram lojas são: Badi e Chhoti Chaupar. Mas ao longo de toda cidade murada você encontrará pessoas vendendo de tudo.

 


No dia seguinte preparamos as pernas para um dia cheio. Saímos do hostel, tomamos um lassi (um must have em Jaipur) e fizemos o loop dos prédios históricos do centro: Albert Hall, Jantar Mantar e City Palace. Os dois últimos são simplesmente imperdíveis! Jantar Mantar é um centro astronômico e astrológico, sensacional. E o City Palace guarda ainda todo glamour da cidade, inclusive continua sendo a residência oficial da família real. 

 

 


A tarde fomos para o Galta Ji, também conhecido como templo dos macacos. O complexo é repleto de palácios e templos escondidos no meio das montanhas, onde quem toma conta dali são os macacos. Um refúgio sagrado, com suas fontes de água que são procuradas para purificação, ou seja, é muito comum ver pessoas tomando banho ali. O lugar passa um sentimento de paz. Adoramos! E recomendamos! Só lembre de estar preparado para uma boa caminhada subindo e descendo montanha, pois apesar de uma rota fácil é preciso uma caminhadinha para chegar ao refúgio.

 

O último dia inteiro dedicamos ao Amer Fort. Não só a ele, mas a tudo que o cerca e também o caminho até lá. Na ida, paramos para admirar o Jal Mahal. Esse palácio das águas fica no meio do lago Man Sagar, e é um ícone fotogênico.

 



Seguimos nosso rumo até o Amer Fort, que também guarda o Palácio de Amer, o Palácio dos Espelhos e toda a mágica da era dos Marajás. Ao chegar, nos encantamos com um jardim posicionado no meio do lago, e seguimos então por escadas serpentinas para chegar a entrada do forte. 

 


Com uma vista incrível da região, realmente o forte foi estrategicamente posicionado. De lá podíamos ver todos os vales, montanhas e o horizonte a perder de vista. Demais! Entramos finalmente no palácio (depois de sermos assediados por dezenas de guias diferentes, não vamos esquecer que estamos na Índia), onde todos os detalhes arquitetônicos são encantadores.

 



Claro que o Palácio dos Espelhos, o Sheesh Mahal, tem um lugar especial no nosso coração. Basta apenas ver uma foto do local que ele irá povoar seus sonhos para sempre. 

 



Maravilhados com a beleza desse Patrimônio da Humanidade, subimos mais um pouco para o Jaigarh Fort, um dos fortes que fazem parte do complexo naquela região.

 


Fechamos nosso dia e nossa estadia em Jaipur com um Rajasthani Thali. Um combinado típico de comida indiana, esse em especial do Rajastão, como se fosse um "PF" no Brasil. Quem for a Índia não tenha medo, coma um Thali!!


Assim nos despedimos de Jaipur e pulamos num trem para explorar mais do Rajastão, essa região cheia de cor e magia da Índia.

 

 

Reservem seus hotéis através dos nossos links (banners) do Booking que estão presentes no site! Ganhamos com isso uma pequena comissão e você não terá nenhum custo extra com isso! Apenas estará nos ajudando a postar todo esse conteúdo grátis. 

 

Acompanhem nossa viagem no instagram do @projetodeboa.


 



Esse artigo foi lido 4797 vezes!


Texto Escrito Por:

Laion e Madu

Conheçam o mundo sob a ótica do casal Laion e Madu do @projetodeboa



Comentários

Publicidade




Booking.com

Seguro viagem geral 250x250

Encontre-nos no Facebook




Posts Relacionados


Nossa experiência em Varanasi

11 Nov 16

O Triângulo Dourado da Índia: Nova Délhi, Agra e Jaipur

01 Ago 16

O Rajastão em Cores: Jodhpur e Jaisalmer

07 Out 15

Posts Mais Populares


Alagoas: Dicas de São Miguel dos Milagres

Alagoas

Guia completo de Maceió

Alagoas

Praia do Patacho - uma das praias mais bonitas do Brasil

Alagoas